Construção de sede própria da Câmara dos Vereadores custará R$ 4 milhões

A construção da sede própria da Câmara dos Vereadores de Birigui (SP) custará aproximadamente R$ 4,4 milhões e pode ter início ainda neste ano. O valor é 35% menor quando comparado ao do último projeto apresentado pelo Legislativo e que, se fosse executado hoje, exigiria pelo menos R$ 6,7 milhões.

1565902127 25485 - Construção de sede própria da Câmara dos Vereadores custará R$ 4 milhões
Assim que assumiu a presidência, Barone anunciou que um dos projetos da atual Mesa Diretora é a construção de uma sede própria para o Legislativo, o que já foi tentado por várias gestões.
(Foto: Aline Galcino/Hojemais Araçatuba)

O novo projeto arquitetônico da sede foi aprovado pela Prefeitura no último dia 12 de agosto. A expectativa do Legislativo é lançar a concorrência pública no dia 30 deste mês. O prazo estimado para conclusão da obra é de dois anos.

Assinado pelo arquiteto Élder Salim Alonso, a obra terá 1.668 metros quadrados de área construída fechada mais uma marquise (área aberta) de 25 m².

O auditório terá capacidade para 294 pessoas sentadas, já cumprindo a legislação vigente de acessibilidade e assentos especiais. Atualmente, a Câmara comporta 101 pessoas sentadas e não é acessível. 

Serão construídas salas individuais para os 17 vereadores, fora a estrutura física para a parte administrativa, onde atuam os servidores efetivos.

“O que muda entre esse projeto e o anterior é basicamente a estrutura. Optamos por um projeto mais quadrado, com divisórias em drywall, um meio para baratear a obra. Acredito que tem que ter uma bela fachada para estimular a população a entrar e conhecer, mas não precisa de muita coisa, tem que ser eficiente”, descreve o presidente da Câmara, Felipe Barone Brito (PPS). O projeto anterior, segundo Barone, era fora da realidade. “Trazendo para os dias atuais, era previsto R$ 1,5 milhão só em vidros”, exemplifica.

A construção de 17 gabinetes foi uma das prioridades, pois hoje dois vereadores dividem a mesma sala (são oito no total). A única sala individual é a do presidente. Outro item essencial foi um auditório com maior capacidade. 

Próximos passos

No último dia 9 foi publicado um comunicado para apresentação de orçamentos para execução dos projetos complementares (projeto estrutural, hidráulico, água fria, águas pluviais e esgoto, projeto elétrico interno e externo, tubulação telefônica, proteção contra descargas atmosféricas, segurança e combate a incêndio). O prazo para participação é de oito dias úteis a partir da data da publicação.

A expectativa do presidente da Casa é que até o dia 30 deste mês a concorrência pública seja lançada e, se não houver intercorrências, a obra pode começar em outubro próximo.

O pagamento da obra será feito com recursos do duodécimo – hoje a Câmara recebe R$ 971 mil por mês e parte desse valor é devolvido à Prefeitura. O valor que a Casa tem guardado em caixa não foi informado.

No ano passado foram devolvidos ao Executivo R$ 2,75 milhões, o que correspondeu a 25% dos R$ 11 milhões que a Casa recebeu em parcelas mensais do duodécimo. 

1565902162 93285 - Construção de sede própria da Câmara dos Vereadores custará R$ 4 milhões
Câmara tem cessão de 12 lotes no bairro Alto do Silvares (Foto: Aline Galcino/Hojemais Araçatuba)

Economia

Assim que assumiu a presidência, Barone anunciou que um dos projetos da atual Mesa Diretora é a construção de uma sede própria para o Legislativo, o que já foi tentado por várias gestões.

Para isso, o foco está na redução de despesas. Entre os cortes feitos estão dois contratos para transmissão das sessões da Casa – com a TV Noroeste (antiga TV Birigui) e com a rádio Nova Clube FM. Juntos, os contratos somavam R$ 454,8 mil por ano. 

A medida gerou bastante polêmica e resistência de alguns parlamentares que defendem a veiculação como forma de alcançar a população. Mesmo assim, foi mantida.

Houve também uma revisão no contrato da Casa com telefonia e internet, que gerou economia mensal de R$ 1,5 mil (R$ 18 mil/ano).

Hoje a Câmara paga R$ 20.135,57 por mês para utilizar o imóvel na rua Nove de Julho – pouco mais de R$ 240 mil por ano. O contrato atual está vigente desde 2013, no entanto, o Legislativo paga aluguel desde 2006, quando desocupou a sede na rua Santos Dumont.

Fonte: Hojemais-Araçatuba

Curta e Compartilha

Comentários