Prefeitura reúne CPFL e empresas de internet para resolver problemas com fios soltos

A Prefeitura de Birigui realizou na manhã de quinta-feira (29/04), uma reunião com representantes da CPFL Paulista e empresas de internet para encontrar solução para acabar com o excesso de fios e cabos nos postes de energia elétrica da cidade.

FB IMG 1619717629057 - Prefeitura reúne CPFL e empresas de internet para resolver problemas com fios soltos
Reunião entre Prefeitura e representantes da CPF e empresas de telecomunicações

O município conta com a lei 6.910/2020 que trata sobre a obrigatoriedade do alinhamento e retirada de fios excedentes, de autoria do vereador Vadão da Farmácia, que esteve presente no encontro. Também participaram o secretário de Governo, Paulo Henrique Marques, e o chefe de Gabinete, Alex Brasileiro.

Em muitos bairros, grande parte dos postes de energia é composta por um verdadeiro emaranhado de fios e cabos que causam aspecto negativo visualmente. Há até fiações soltas que sobram das instalações jogadas nas ruas, colocando em risco a segurança e integridade física da população.

Inúmeras matérias publicadas pelo site QAP BIRIGUI, já retrataram diversos acidentes que vitimaram inúmeros munícipes.

“O assunto foi amplamente discutido e tivemos um resultado positivo. A CPFL Paulista ficou responsável por criar um grupo com as empresas que prestam serviço de internet para, juntas, resolverem essa questão”, disse o prefeito. “Os fios soltos deixa nossa cidade feia e provoca acidentes desnecessários, por isso, precisamos que essa situação seja resolvida”, completou.

LEI MUNICIPAL

De autoria do vereador Vadão da Farmácia, a lei municipal obriga a concessionária de energia elétrica e demais empresas a se restringirem à ocupação do espaço público seguindo as normas técnicas e a promoverem a retirada dos fios em excesso e inutilizados dos postes e vias públicas.

Conforme a legislação, aprovada no ano passado, as empresas têm o prazo de 10 dias úteis, após a notificação do órgão competente, para regularizar a situação. A lei prevê multa no valor de R$ 1 mil por ocorrência em caso de descumprimento

Curta e Compartilha

Comentários